You are currently browsing the monthly archive for Junho 2011.

 

O Bon Iver anuncia a Tour para 2011.

HMV Apollo Hammersmith dias 23 e 24 de Outubro, acompanhado pela artista Kathleen Edwards. Não esgotes até ter comprar o bilhete, vá lá.

Anúncios

 

Kevin Spacey

 

Adoro-o. Por coisas como The Usual Suspects, Se7en , American Beauty, The Life of David Gale

“The word “tattoo” is a borrowing of the Samoan word tatau, meaning to mark or strike twice. A tattoo is a permanent mark made by inserting pigment into the skin for decorative or other reasons. Tattoos on humans are a type of decorative body modification, while tattoos on animals are most commonly used for identification or branding. Tattooing has been practiced worldwide. The Ainu, the indigenous people of Japan, wore facial tattoos, as do some Maori of New Zealand to this day. Tattooing was widespread among Polynesian peoples and among certain tribal groups in the Philippines, Borneo, Mentawai Islands, Africa, North America, South America, Mesoamerica, Europe, Japan, Cambodia, New Zealand and China. Despite some taboos surrounding tattooing, the art continues to be popular in many parts of the world.
The Tour”

 

“I don’t believe in elitism. I don’t think the audience is this dumb person lower than me. I am the audience.”

 Quentin Tarantino

You talk to loners, you ask how’s your week. You give love to all and give love to me. You’re obsessed with hiding the sticks and stones. When I feel the unknown You feel like home, you feel like home.

 

 

“Há muita pressa e rebuliço nos nossos sistemas nervosos. Não chegou o metro e todos se levantam, uma manada de viajantes que entopem o caminho de quem quer sair das carruagens. São pequenos hábitos que nos controlam e nos corroem como uma carraça escondida na orelha.

 Mal o avião toca na pista e já se ouve o estalar metálico dos cintos de segurança, as portas dos compartimentos para a bagagem, os guinchos dos telemóveis lembrando-nos de que o mundo exige que estejamos sempre presentes. Não podemos perder nada. Se o computador demora mais uns segundos a acender, amaldiçoamos deus e a empresa fabricante – há uns anos, um jogo do Spectrum 48 k demorava tanto tempo a entrar que dava para ir fazer um lanche ou ler meio livro do Homem Aranha.

Se apanhamos fila no supermercado, está o dia em ruínas, se alguém demora a arrancar num semáforo há logo uma buzina causadora de gaguez e úlceras. Temos de ter a mesma velocidade da internet banda larga e a satisfação permanente das meninas magrinhas nas capas de revista ou dos anúncios de cerveja.

Qualquer micro obstáculo que dificulte a concretização dos nossos desejos mais simples e imediatos se torna num falhanço. E mesmo que tanta coisa não dependa de nós, mesmo que os nossos ataques de nervos não resolvam as incorrecções do universo, continuaremos a pensar que as nossas queixas são tão poderosas como para acelerar metros ou conseguir melhor cobertura de rede. A impaciência é um estilo de vida. E não ser feliz a tempo inteiro, segundo a segundo, é hoje um enorme falhanço existencial. “

por Hugo Gonçalves

 

Limitless 2011 – Dirigiro por Neil Burger.

 

A falta de inspiração do escritor Eddie Morra (Bradley Cooper) , leva-o a descobrir e a tomar uma droga desconhecida, que o faz ficar com capacidades e inteligência superior a um regular humano.
Acontece que a tal “droga milagrosa”, os caminhos da ambição e a descoberta de novas coisas que nunca imaginou conseguir fazer, leva-o a meter-se com as pessoas erradas.

Robert De Niro como Carl Van Loon, seu chefe numa grande empresa é passado para trás pelo jovem magnífico e isso não lhe agrada, assim como outras poderosas pessoas com o conhecimento da existência da tal droga de edição limita fazem tudo para lhe por as mãos.

Morra está no caminho e no posse do que todos querem, o poder. Filme mediano.

 

 

The Adjustment Bureau 2011 – Escrito e dirigido por George Nolfi.

 

Este ainda está fresco na memória, porque foi visto ontem à tarde.

Um romance (bem mais romance do que aquilo que se esperava do filme), entre o político David Norris (Matt Damon ) e Elise Sellas (Emily Blunt ). Estes não têm muito em comum para além de não estar destinado estarem juntos.

David descobre por acidente uns “senhores de chapéu”, uma espécie de anjos do destino, que influenciam e fazem cumprir os destinos de cada um. Inclusivé o dele. O seu amor por Elise não é compatível com a carreira que se espera para ele como político e tudo é feito para os manterem afastados. Mas será que esse foi sempre o destino dos dois? O de estarem separados?

 

 

X-Men: First Class 2011 – Ditigido por Matthew Vaughn

 

Este último filme sobre as origens do X-man, leva-nos a perceber como as coisas aconteceram antes do primeiro filme (um bocado óbvio também). Mas importante, principalmente para os menos atentos saberem de onde veio, por exemplo, a Mystique que é bem importante em todo o enredo.

Apesar da maioria das personagens principais dos anteriores filmes (ou não anteriores neste caso) não aparecerem, o filme mostra principalmente o lado sentimental de toda a história do X-man, e como cada passado influenciou o destino de cada um como mutante. A história inicial do Magneto (interpretado por Michael Fassbender neste filme) e de Xavier (James McAvoy) é obviamente um ponto que tinha que ser explorado.

Gostei muito, efeitos, história, tudo no sítio.

  

Wu tang Clan – @London, HMV FORUM


Depois de voltar de fim de semana de Portugal, festa de anos, e apresentações do livro “Um delicado sentido de equílibrio“, domingo foi dia de Show por cá.
Dia de chuva, e nós a deixar Portugal com os seus 20 e tal graus, fuck, às vezes custa.

Desta vez não fomos nem perto da hora de abertura das portas, chegámos bem depois (já que em Raekwon tinha sido aquela seca até começar o que importava). Timing perfeito, bem antes de começar a tocar os Wu tang Clan.

A banda não vinha toda a Inglaterra, soubémos nós no próprio dia do concerto (faltou o RZA, Raekwon and Inspectah Deck, penso). Mas mesmo assim valeu a pena, mais para Ele do que para mim claro, que sou fã há muito menos tempo e em menos “quantidade”.
Desta vez não andavam os seguranças feitos maluquinhos a caçar o pessoal a fumar ganzas nem nada. Pessoal em altas, boa energia e boa presença de todos (mas o Ghostface é o maior! e o meu favorito).
Penso que como nós toda a gente saiu de lá satisfeito apesar de não ter visto aquilo para que pagou, a banda toda junta.

 

 

Hum, passei no meu antigo blog (este portanto), e pus-me a pensar no real significado dos 31.765.

Se cá passaram esse número de visitas, o que é que motivava a maioria delas? Eu confesso, que sou um pouco “mete nojo” às vezes, tal como toda a gente (e principalmente o Tuga), às vezes gosto de meter o bodelho mesmo em coisas que não gosto. Alguns blogs fazem-me rir. E com isto não quero dizer que o meu antigo Blog não fosse o mesmo para as 30 e tal mil visitas. Tudo relativo.

Há uns tempos, todos os dias fazia uma visita diária pelos meus blogs favoritos e aprendi muito com isso, é o que sei. Gostava que alguns voltassem ao activo, principalmente nestas horas mortas que tenho tido no trabalho.

Enfim, isto para dizer que me apetece voltar a este espaço. De vez em quando.